O relacionamento abusivo dos famosos

Já percebeu quantos relacionamentos abusivos têm sido denunciados publicamente nos últimos tempos? Em cada uma dessas denúncias, podemos perceber características inerentes ao abuso, seja ele mais sutil ou com violência clara. Mas existe ainda uma peculiaridade que também deve ser levada em conta quanto aos efeitos psicológicos e o escalonamento do abuso para as vítimas: se tornar público.

Isso pode acontecer com mulheres, até então, anônimas, mas que ficam conhecidas após a agressão ou morte e também com as que já são famosas, como atrizes, cantoras, blogueiras. Mas o que há de diferente quando o relacionamento abusivo acontece no mundo das celebridades?

Por se tornar público, a opinião externa se torna ainda maior, o que faz com o que os sentimentos possam ser também mais intensos. Além disso, a intimidade do casal costuma ser exposta e, nos casos em que a exposição é feita pela vítima, alguns cuidados devem ser tomados para que a denúncia pública seja feita de forma segura e sem abertura para processos.

O que acontece quando uma mulher famosa denuncia um abusador?

Sabe aqueles casais famosos em que o relacionamento é cheio de idas e vindas? Antes de pensar em julgar, lembre-se que isso pode ser um dos sinais de um relacionamento abusivo. Algumas pessoas também se perguntam: mas por que ela não acaba logo comisso? Antes desse questionamento, é preciso pensar primeiro em como está a saúde mental da mulher, os desafios que ela precisará passar para expor a situação, ainda mais sendo uma pessoa pública.

Quando uma mulher famosa denuncia uma relação de abuso, algumas outras vítimas desse mesmo abusador também começam a aparecer, já que abusadores geralmente agem com um determinado padrão. Um desses modus operandi é a reação do abusador ao ser acusado publicamente de algo que ele realmente fez e suas estratégias utilizadas para escapar da responsabilidade por seus abusos e crimes.

De acordo com a especialista em trauma, Judith Herman, o homem abusivo faz de tudo pra promover o esquecimento da denúncia por meio de algumas estratégias de sigilo e silenciamento, por meio de mentiras e ameaças:

Ataque à credibilidade

Nos caos em que a ameaça e o sigilo falham, o abusador ataca a credibilidade da vítima, para que ninguém a escute: “ela é depressiva, mentirosa, ela é que abusou de mim, está tentando tirar meus filhos”. Esse é o jogo que o abusador faz ao se referir à vítima como louca, desequilibrada e alguém que não merece crédito. Mas se ainda assim não funcionar, por fim, ele apresenta a maior variedade de argumentos, da negação até amais sofisticada racionalização.

Negação

No processo de negação o abusador tenta descredibilizar a vítima: “não fiz isso, posso provar. Eu fiz sem intenção. Ela mentiu, ela tá exagerando, ela causou isso pra ela mesma. O que passou, passou, é hora de seguir em frente, cada um segue sua vida. Ambos erramos, tenho meus defeitos e estou procurando melhorar, mas não sou abusador, agressor”. Agora, cá para nós, você já viu um abusador assumir suas estratégias de abuso? Pois é. Nós também não.

Qual o nosso papel diante de tudo isso?

Quando um espectador ouve a denúncia e discurso estratégico do homem é comum que a fala do abusador seja validada, que o número de fãs não se altere ou até mesmo aumente. Essa reação também reforça o abuso, que tem outros aliados como um judiciário machista, seguidores que corroboram com esse tipo de violência e patrocinadores que não se manifestam.

É muito comum ficar do lado do abusador e tudo o que ele quer é que o espectador não faça nada. A vítima, por sua vez, exige ação, engajamento, lembrança e pede ao público que compartilhe o fardo da dor, ela precisa ser acreditada, validada, acolhida. Esse crédito é de extrema necessidade e deve ocorrer ao menor sinal de abuso, já que o número de denúncias falsas diante das verdadeiras e inclusive diante das mulheres que não denunciam é mínimo.

Quanto mais poderoso o abusador, maior a sua capacidade de nomear e definir a realidade e mais completamente os seus argumentos prevalecem. E o sentimento que a vítima vivencia é o de solidão e isolamento. Entende agora por que algumas mulheres nem chegam a denunciar. Por isso, é cada vez mais importante que pessoas que possuem alcance maior nas redes, se engajem também no debate social sobre relacionamentos abusivos e usem o espaço que têm para conscientizar, informar e acolher outras mulheres, afinal, só é possível transformar aquilo que sabemos que está acontecendo. Então, além da informação, hoje a Não Era Amor quer te fazer um convite: vamos mudar essa realidade?