Como é o término em um relacionamento abusivo?

Terminar um relacionamento não é tarefa das mais fáceis e existem vários sentimentos e conflitos vivenciados nessa fase. Mas por mais que colocar o fim em algumas relações possa ser desafiador, antes de qualquer coisa, precisamos ressaltar que o término do relacionamento abusivo é ainda mais difícil. Isso acontece porque da mesma forma que um relacionamento saudável começa diferente do abusivo, ele também termina de outra forma. 

A diferença ocorre porque a base desse tipo de relação é o abuso e há discrepância no poder de uma pessoa em relação à outra, ou seja, é uma relação hierárquica e violenta de desigualdade. Dessa forma, para que a mulher consiga falar o “não” definitivo para o seu parceiro, ela precisa romper com todos esses padrões de violência, seja ela verbal, emocional, psicológica, física, sexual, financeira e/ou tecnológica. 

Entenda o que é relacionamento abusivo.

O término é a atitude mais expressiva

O término em um relacionamento abusivo é o maior “não” que uma mulher diz para o seu parceiro em um relacionamento abusivo.  Por isso, o abusador que estava acostumado a ter suas vontades realizadas vai fazer de tudo para ter o controle e o poder de volta. E é aí que as atitudes mais graves vão acontecer, como o escalonamento da violência. Os números nos mostram que 70% das mortes de mulheres que estão em relacionamentos abusivos ocorrem no término e mesmo aquelas que não correm esse risco, também são vítimas do escalonamento.

Outra consequência é a variação de comportamento por parte do abusador. Ele se transforma ora na pessoa mais doce do mundo, ora na mais agressiva. Faz drama, pede em namoro, em casamento, propõe terapia de casal, planeja viagens. Promete mudanças. Faz ameaças de que vai se matar ou matar a parceira.

Tenta terceirizar a culpa, diz que está sendo abandonado, se vitimiza. A lista de abusos na hora do término é enorme e inclui um apanhado de tudo que você passou durante o relacionamento. É como se fosse um grande resumo, só que ainda mais intenso: explosão, lua de mel, manipulação, chantagem, tudo de uma vez. 

A romantização do término

É comum confundir o término com o fim de um relacionamento saudável. Nessas horas existe a esperança de terminar de forma amigável ou até mesmo a expectativa de que o afastamento faça com que o parceiro mude. Não se engane! Na maioria dos casos os padrões continuarão os mesmos e, portanto, o abuso também continuará.

Essa romantização se estende também ao relacionamento com os filhos ou até mesmo a lembrança seletiva que faz com que você se recorde apenas das partes boas.

O término em um relacionamento abusivo para a Não Era Amor

Estudos realizados nos Estados Unidos comprovam que existem até 7 términos durante um relacionamento abusivo. Na Não Era Amor, consideramos como rompimento definitivo aquele com, no mínimo, 1 ano sem contato nenhum com o abusador ou contato mínimo nos casos onde existem filhos.

Mais difícil que o término

Alguns sentimentos vão aparecer nesse período pós-término como abstinência, alívio ou até mesmo uma mistura dos dois. Nesse momento, existem algumas coisas que podem ser mais difíceis do que o próprio término. São elas:

  • O seu processo de cura: fechar a fresta emocional que te manteve no abuso
  • Achar que não vai conseguir: cuidado com o que você diz para si mesma. Tente outra vez
  • Romantização: imaginação x realidade. Lembrar apenas da fase de lua de mel e esquecer as outras etapas do abuso
  • Lidar com as outras pessoas: a sociedade muitas vezes vai questionar o seu término e te fazer sentir mal por estar sozinha
  • Contato zero
Complemente seu estudo com esse vídeo do nosso canal.

A melhor estratégia pós-término: contato zero

Você conseguiu colocar fim em um relacionamento abusivo?  

A partir de agora precisamos pensar em estratégias para que você não volte para quem te feriu e consiga se curar nesse processo. Para isso, a melhor dica que a Não Era Amor pode te dar é: mantenha o contato zero. 

O contato zero, como o próprio nome já diz, é se afastar de vez do seu antigo parceiro. Essa estratégia serve para você se proteger, se fortalecer, desromantizar o que foi vivido e ampliar sua consciência. Já ouviu falar que a gente vê melhor quando se distancia de uma situação? Pois é! 

Para isso, não caia em algumas ciladas que a sua mente pode te pregar como responder as mensagens dele “por educação”, achar que ele deixou de ser abusivo só porque agora é seu ex e até mesmo o medo do que as pessoas vão pensar de você com o término. 

Nos casos de relacionamentos com filhos, o contato zero se transforma em contato mínimo e deve ser realizado apenas para tratar de assuntos relacionados à paternidade, de preferência com um mediador para evitar a sua aproximação com o abusador.

Contato zero, é zero

A Não Era Amor separou 22 dicas para você passar pelo contato zero e recuperar de vez as rédeas da sua própria vida:

  1. Não receber recados
  2. Cuidado com a impulsividade: não responda na hora, os sentimentos passam
  3. Conte com suas amigas
  4. Faça atividade física mesmo que sem vontade
  5. Faça um perfil em um aplicativo de paquera para ver o mundo lá fora
  6. Respire, medite
  7. Acolha o sentimento e fale para você mesma que vai passar
  8. Repita: eu vou conseguir
  9. Ensine para as pessoas o que é contato zero mandando esse artigo pra elas
  10. Delete fotos, bloqueie o ex em todas as redes sociais e não procure saber dos amigos e familiares dele
  11. Faça uma lista das piores situações que vocês passaram 
  12. Identifique suas romantizações
  13. Racionalize
  14. Estude sobre relacionamentos abusivos e converse com mulheres que já passaram por isso 
  15. Faça um diário pra registrar sua evolução
  16. Teste duas semanas de contato zero e anote como vai se sentir no diário
  17. Saia com as amigas
  18. Cure sua fresta emocional
  19. Cuide dos danos pós-término
  20. Faça terapia
  21. Procure uma psiquiatra se necessário
  22. Procure uma advogada se for o caso

O pós-término pode ser mais difícil do que o próprio término em um relacionamento abusivo, mas você não precisa e nem deve passar por isso sozinha. Procure ajuda, converse, faça terapia e crie uma rede de apoio. Os sentimentos ruins vão passar, você só precisa dar tempo ao tempo.