Qual a importância da terapia especializada para relacionamentos abusivos?

Já parou para pensar nas diversas especializações que existem em cada profissão? Se você quebra a perna vai ao ortopedista, se não está enxergando bem vai ao oftalmologista, problemas de pele são direcionados ao dermatologista. Nem tudo se resolve no clínico geral e na Psicologia não é diferente: para lidar com questões ligadas à relacionamentos abusivos também recorremos a terapia especializada.

O que é uma terapia especializada?

A terapia especializada em relacionamentos abusivos é uma modalidade de Psicoterapia que utiliza metodologia e técnicas específicas para ajudar mulheres que estão ou saíram de relacionamentos abusivos.

A análise clínica nesses casos leva em consideração a dinâmica e o ciclo de um relacionamento que não é saudável, avaliação de riscos para a paciente e estratégias para manejar situações emergenciais. 

Terapeutas bem capacitados em relações abusivas discriminam com assertividade os dois tipos de relacionamento. Pois, ambos demandam análises e intervenções totalmente diferentes, uma terapia especializada em abuso não trata essa violência como se trata tradicionalmente demandas de relacionamentos saudáveis.

Além disso, uma relação abusiva deixa marcas que se não forem cuidadas adequadamente podem impactar muito a vida da vítima mesmo após ter saído da relação. A psicoterapia vai cuidar destes danos psicológicos, trabalhando o autoconhecimento, as frestas emocionais e traumas advindos desta relação. Tratar as consequências é preciso para que as vítimas consigam se recuperar dos danos e voltar a viver a vida com plenitude se vendo verdadeiramente livres do abuso.

Qual a importância da terapia especializada em relacionamentos abusivos?

Relacionamentos abusivos são muito distintos do padrão de relacionamentos saudáveis. A Psicoterapia especializada visa dar assistência a vítima com um olhar crítico e minucioso para a relação de abuso e seus efeitos psicológicos.

Um terapeuta especializado em relacionamentos abusivos possui conhecimentos específicos sobre os padrões e os riscos que representam a saúde física e psicológica da mulher. Esse profissional vai atuar auxiliando a mulher a discriminar as situações de abuso nas quais se encontra, tratar os efeitos psicológicos e desenvolver autoconhecimento necessário para sair da violência, se assim desejar, minimizando danos a sua integridade física e emocional.

O que pode acontecer sem terapia especializada?

Quando a mulher está em um relacionamento abusivo, muitas vezes ela terá dificuldades em perceber os riscos a que está submetida e pode inclusive não sentir medo, o que é um efeito psicológico do abuso e não pode ser indicador de risco. 

Se o profissional que estiver acompanhando essa paciente não tiver conhecimento sobre e dinâmica de um relacionamento abusivo, pode não perceber o risco e acatar a palavra da paciente de que não tem perigo. 

A terapia especializada coloca uma lupa sobre o abuso e é esse olhar refinado sobre a dinâmica da relação que assegura melhor a paciente sobre os riscos do ciclo da violência, muitas vezes imperceptíveis aos olhos do senso comum. Perceber esses sinais é muito importante para que a mulher consiga lidar com os efeitos psicológicos do abuso, enxergar os riscos a que está submetida, se fortalecer e voltar a ter controle sobre a própria vida.

Além disso, em uma terapia não especializada há chance de que a psicóloga não reconheça o relacionamento como abusivo e use ferramentas indicadas para relações saudáveis. É possível até que a própria terapeuta caia nos gatilhos provocados pelo abusador, reforce o abuso, culpabilize a vítima, não preveja certos riscos e acabe potencializando os danos psicológicos.

Para fazer terapia especializada eu preciso terminar meu relacionamento?

Diferente do que muitas pessoas pensam, a terapia não é específica para o término, pelo contrário, ele só é sugerido se a vítima estiver correndo riscos de agressão ou feminicídio. A terapia especializada é aconselhada em todas as etapas de um relacionamento abusivo, desde o processo de identificação dos abusos presentes na relação, por meio de uma jornada profunda de autoconhecimento e conscientização do tema, até o desenvolvimento das habilidades necessárias para que a mulher entenda o que está passando, cure suas frestas emocionais e, assim, consiga recuperar a sua autoestima, autonomia e liberdade.

O foco da terapia é você, não o término. Esse se configura como uma consequência possível do processo, sendo uma escolha individual.  Mas, caso você queira terminar e deseje ajuda profissional para efetuar o término com segurança e apoio emocional, a psicóloga deve estar preparada para estar com você e planejar o término passo a passo da forma mais segura.

Na terapia especializada você é o centro da sua vida

Pensando nisso, a Não Era Amor desenvolveu sua metodologia própria, criada com base em estudos científicos focados em relacionamentos abusivos, suas variáveis e efeitos psicológicos.

Nossa metodologia é feita para mulheres que estão ou já saíram de relações violentas. Isso porque, de acordo com muitos estudos, existem diversas consequências do abuso na vida das vítimas. Passar por relacionamentos abusivos mata neurônios, aumenta as chances de mulheres desenvolverem doenças autoimunes e de morrer por qualquer outra causa. Os danos psicológicos do abuso são amplos, desde transtornos do humor como depressão a traumas que podem ser generalizados para futuras relações, dificultando até mesmo o vínculo afetivo em futuros relacionamentos saudáveis.

Por isso, tratamos todas as etapas, as frestas que deram abertura para que a violência acontecesse, seu processo de cura e até a sua vida após estar livre do abuso.  Nós queremos que você volte a ser o centro da sua vida e esteja saudável emocionalmente. Aqui, nós nos baseamos em três pilares: informação, autoconhecimento e liberdade.